Autodidática. Sem entender o básico de como a economia como um todo e o mercado de ações em particular funcionam, é improvável que os investimentos sejam bem-sucedidos. É claro que você pode usar o serviço de gerenciamento de confiança — quando você dá dinheiro a um investidor profissional e ele o investe sem sua intervenção ativa—, mas geralmente é bastante caro. Portanto, se você é um investidor iniciante sem grandes orçamentos, terá que entender por si mesmo.

Determine o valor que você está pronto para investir no investimento — o orçamento inicial e quanto você está disposto a gastar regularmente com isso, se estiver pronto em princípio.

Formule um objetivo. Ela ajuda a identificar uma estratégia de comportamento no mercado de ações: em que proporções recolher a carteira, como muitas vezes a vender-comprar ativos e т. п. aconselham os Novatos designar um alvo específico — e não simplesmente “quero ganhar”, e “acumular uma determinada quantia imobiliários / filho de treinamento / si aposentar” e т. п. o consultor financeiro de alfabetização do projeto “Вашифинансы.rf” Anna Заикина acredita que o primeiro objetivo deve ser o período de, pelo menos, três anos. Quanto maior o prazo do investimento, menor o risco. Ao mesmo tempo, diferentes portfólios podem ser coletados para diferentes objetivos.

Avalie sua própria disposição para assumir riscos. Para fazer isso, por exemplo, você pode passar no teste de perfil de risco no site da Bolsa. Grandes corretores, também, antes de abrir uma conta de corretagem ou imediatamente após a permitir passar por testes semelhantes, para entender qual o rebaixamento do portfólio você está disposto a tolerar. A escolha dos ativos também depende da prontidão para perdas. Afinal, quanto maior o seu rendimento potencial, maior o risco, lembrou o chefe do Departamento de internet corretor “BCS World Investments” Igor Pimonov.

Escolha um corretor. Os investidores privados não podem negociar na bolsa de valores por conta própria-isso requer apenas um corretor. Ele abrirá uma conta de corretagem especial e, com sua ajuda, você poderá comprar e vender os ativos selecionados. Nós escrevemos mais sobre isso aqui.

Acima foram os passos técnicos. E o que mais você precisa lembrar?

Não invista o último dinheiro. Primeiro, monte o proverbial “airbag”, insiste Anna Zaikina. Para que, no caso de força maior, você não precise vender ativos com urgência e retirar dinheiro da conta da corretora. Além disso, os especialistas do banco central em alfabetização financeira recomendam que parte do dinheiro seja armazenada em instrumentos conservadores, como os mesmos depósitos. Pelo menos porque o estado garante a segurança dos últimos até 1,4 milhões de rublos.

Não invista fundos emprestados. No mercado de ações, é possível negociar não com seu próprio dinheiro, mas usando os fundos de um corretor (negociação de margem). Mas os investidores iniciantes Igor Pimonov não aconselha a recorrer a ela.

Diversifique o portfólio. Não se concentre em comprar apenas um tipo de Ativo — as mesmas ações. Na escola da Bolsa de valores, os recém-chegados são aconselhados a fazer uma carteira de ações rentáveis, mas mais arriscadas no curto prazo e títulos menos rentáveis, mas também mais estáveis. A diversidade do portfólio compensará a queda de um ativo, se ocorrer de repente. Além disso, diversifique e dentro de um conjunto de ativos do mesmo tipo. Ou seja, compre ações de diferentes empresas de diferentes setores.

Não invista em algo que você não entende. Caso contrário, a probabilidade de avaliar incorretamente os riscos é alta.

Tente não entrar em pânico ou ceder ao sentimento de massa de comprar ou vender ativos. O mercado de ações é obviamente arriscado e muitas vezes imprevisível. É importante manter-se atualizado, mas não reagir impulsivamente a eles.

O que é uma carteira de investimentos? E como montá-lo?

Essencialmente, um portfólio ainda é a mesma estratégia de longo prazo que envolve investimentos em diferentes classes de ativos. Ao mesmo tempo, em um sentido geral, sua carteira financeira pode ser chamada de todos os ativos que você possui — imóveis, carros, moedas, metais preciosos, etc.

A composição de uma carteira de investimentos reflete a prontidão para o risco: por exemplo, quanto mais ações houver, mais agressiva será e vice — versa-quanto mais títulos, mais conservador será.

A primeira opção pode ser adequada para investimentos de longo prazo, porque historicamente, a longo prazo, o mercado de ações mostra um crescimento maior. A segunda opção, pelo contrário, é preferível para tarefas por um período relativamente curto, nas quais você não deseja arriscar.

É possível tirar proveito da” regra da idade”, que afirma que os títulos em sua carteira devem ter a idade que você tem. Ações, respectivamente, 100 menos sua idade. Ou seja, se o investidor tem 30 anos, as ações da carteira devem ser de 70% e os títulos devem ser de 30%. Existem outras fórmulas de cálculo, mas o significado da regra é o mesmo — quanto mais jovem o investidor e mais tempo ele tem para atingir a meta, mais ele pode pagar por ativos de risco, mas mais rentáveis a longo prazo — ações e menos confiáveis, mas menos rentáveis — títulos. Com a idade, essa proporção deve mudar.

Esta regra é frequentemente criticada porque não leva em conta a propensão do investidor ao risco e implica que o objetivo é sempre a longo prazo (por exemplo, garantir uma velhice confortável). Mas o princípio geral pode ser modificado em qualquer horizonte de eventos — à medida que você se aproxima da meta, reduza a participação das ações no portfólio.